Conhecimento e sabedoria

filmes-para-repensar-a-vida-6

Conhecimento e sabedoria
“O conhecimento a gente aprende com os  Mestres e com os livros. A sabedoria se aprende com a vida e com os humildes.”    Cora Coralina
À primeira vista, muitas pessoas costumam considerar conhecimento e sabedoria como sendo a mesma coisa, como sinônimos, mas não é bem assim. É preciso não confundir conhecimento com sabedoria. Os que têm muito conhecimento, como os filósofos e os intelectuais de todas as profissões, podem não ser sábios. De outro lado, encontramos pessoas simples, pouco escolarizadas, que são sábios verdadeiros em muitas profissões técnicas e não técnicas por todas as nações da Terra, não excluindo, é claro, os grandes filósofos de todos os tempos. E, então, qual ou quais são as diferenças? É disso que vamos tratar neste artigo.

  1. Conhecimento Conhecimento é um interminável processo de aprendizagem. É pelo conhecimento que aprendemos, compreendemos e assimilamos uma ideia ou conceito, como por exemplo o que são as leis naturais e imutáveis do Universo, o que são as leis humanas próprias de cada país, o que são direitos e deveres humanos, a observação e obtenção das ocorrências (fatos e fenômenos) de nossa vida; enfim, tudo aquilo de que necessitamos para nossa evolução na Terra. E, sobretudo, é pela observação e muito estudo e raciocínio que adquirimos o conhecimento e o crescimento espiritual.

Não podemos ressaltar, como forma de conhecimento, apenas aqueles que nos levam ao sucesso; este assunto não é tão simples assim. Colher bons resultados exige características que, no conjunto, tornam todo o processo do conhecimento um desafio que precisa ser vencido continuamente, fazendo-o fluir naturalmente com bons resultados.

  1. Sabedoria Os sábios não são aqueles que tão somente se destacam nos empreendimentos da vida terrena ou que aparecem nas diversas mídias do mundo moderno, como empreendedores, políticos ou mesmo cidadãos comuns. Os sábios sabem de verdade como enfrentar os grandes desafios que se lhes apresentam, esclarecer dúvidas, suscitar respostas sensatas sobre tudo que observam e vivem, conquistando grande satisfação e relativa felicidade.

Ter equilíbrio pessoal e profissional é necessário. Isso exige uma busca constante, sendo preciso repensar todos os aspectos do nosso próprio universo espiritual no que diz respeito às nossas obrigações para conosco mesmos, para nossa saúde, para nossa vida familiar e para nossas atividades profissionais. No conjunto, todos nós temos um estilo de vida ajustado às nossas necessidades, e isso depende de sabermos conviver com nossos semelhantes. Enfim, os resultados que colhemos dependem de nossos pensamentos e das reflexões que fazemos objetivando transformá-los em conhecimentos teóricos e em práticas efetivas e positivas.
A sabedoria busca colocar em destaque os nossos valores, medos, dramas, sonhos e os sentimentos e emoções sob nosso próprio controle o tempo todo. Isso exige nos conhecermos como Força e Matéria, ou seja, como corpo físico e alma. O espírito ou alma (o espírito encarnado ou criatura, no dizer de Luiz de Mattos) é a verdadeira essência de todos nós, já que somos seres espirituais com experiências materiais operando nas contingências do mundo Terra. Essa sabedoria é essencial para abrirmos a nossa mente muito além do que a maioria consegue por falta de espiritualidade. Para compreendermos a alma humana temos que, primeiro, aprender a entender e aceitar a nossa própria essência. É essa abertura mental que nos leva a alcançar maiores possibilidades como ser humano, abrindo a nossa percepção sobre os outros seres humanos e sobre tudo aquilo que eles pensam e sentem. E não é só isso: a sabedoria abre a nossa percepção para os assuntos transcendentais que ativam muitas perguntas e algumas respostas verdadeiras de nossa parte.
O estudo profundo, refletido, meditado, continuado e ponderado dessas questões da criação da vida e de sua evolução ad aeternum na Terra e no Universo, isto é, a forma de sentirmos e vivermos as percepções de nossa chamada vida interior é que nos leva a  interagirmos com conhecimento de causa e com serenidade, compreendendo os fatos e transformando verdadeiramente a nossa realidade física, mental e espiritual. Assim, quanto mais nos conhecermos, mais sábios nos tornaremos e mais abriremos nossos caminhos para novas conquistas. E isso nos conduz ao crescimento espiritual, que nos prepara para lidarmos com os desafios e dificuldades que a vida nos apresenta.
É a sabedoria que nos permite usar o bom senso, manter o equilíbrio e não nos desesperarmos nos momentos mais difíceis face aos desafios que enfrentamos em nosso dia a dia, sempre procurando as soluções mais aceitáveis pela nossa consciência. Acessando as memórias de nosso conhecimento acumulado e ponderando sobre os fatos da vida, podemos encontrar as soluções mais adequadas para resolver toda e qualquer situação sem cairmos em armadilhas estranhas à nossa vontade.
É o tempo de vida que consolida a sabedoria. É, como diz a escritora Cora Coralina nesta sentença: “Todos estamos matriculados na escola da vida onde o Mestre é o tempo”. Buscando aprender sempre e cada vez mais, nossa percepção e visão crítica dos fenômenos, das coisas e das pessoas com quem lidamos nos guiarão para uma vida melhor e mais feliz. “Feliz é aquele que aprende o que ensina e transfere o que sabe”, também, sábias palavras de Cora Coralina.
Façamos especial referência aos sábios da filosofia, em especial da filosofia oriental, já que esta não admite separação, isto é, não faz distinção entre saber e fazer, entre teoria e prática. Para eles, tudo é fundido na consciência e usado na prática. O conhecimento se torna, assim, sabedoria. Assim, “conhecimento é o que você tem, sabedoria é quem você se torna com o que tem”, segundo Gilberto Antonio Silva, parapsicólogo taoista.
Do que aqui foi exposto se deduz que saber uma quantidade enorme de coisas não faz alguém necessariamente sábio. Estudar, observar, refletir, meditar e ponderar sobre o conhecimento que adquirimos é que gera a sabedoria, através de associações mentais muitas vezes óbvias, mas que ninguém as enxergou antes de nós.
Caruso Samel
Escritor, militante da Filial Butantã (SP)